quarta-feira, 22 de agosto de 2007

TSG 1899 Hoffenheim

Carlos Eduardo, promissor talento do Grêmio, pode ir para o Hoffenheim, da segunda divisão alemã. Como disse PVC, é cada dia mais triste a história do êxodo do futebol brasileiro. Um jogador jovem trocar um multi-campeão Grêmio e ir para um obscuro time alemão é o símbolo do fracasso financeiro do futebol do Brasil.

E quem é esse Hoffenheim, que oscila desde sua fundação, entre a 5ª, 6ª e 7ª divisão alemãs e que agora está na segunda divisão do país?

Fundado em 1899 como um clube de ginástica, o Turnverein Hoffenheim, fundiu-se com o
Fußballverein Hoffenheim em 1945, dando origem ao atual TSG Hoffenheim. Até o final da década de 90 era um time muito pequeno, circunscrito a divisões inferiores da região de Baden-Württemberg, onde fica a cidade de Hoffenheim. Em 99, surgiu Dietmar Hopp (que jogara na base do time), dono da empresa de comunicações e informática SAP - e segundo a Forbes, o 698° homem mais rico do mundo, numa lista em que Joseph e Moise Safra são os brasileiros mais bem colocados, em 69°- e investiu muito dinheiro no clube.

O time logo sobe de divisões e, três anos depois, estava na terceira divisão. Na Copa da Alemanha 2003/04, chega às Quartas-de-final depois de eliminar os grandes
Karlsruher e Bayer Leverkusen. Um ano depois, Hopp tenta fundir Hoffenheim, Astoria Walldorf e Sandhause para criar um time chamado Heidelberg 06, mas a cidade de Hoffenheim se coloca frontalmente contrária a perder o time, dizendo preferir voltar a ser pequeno do que desaparecer.

A fusão não sai do papel, o time contratou bons jogadores estrangeiros (como o croata
Tomislav Marić)
e o técnico Ralf Rangnick (ex-Stuttgart, Hannover e Schalke 04), apelidado de "Professor Futebol", por ter tido um quadro num programa de TV onde explicava táticas do futebol em um quadro-negro. Na temporada passada, o Hoffenheim sobe para a segunda divisão, pela primeira vez em sua história, sempre jogando em seu estádio, chamado... Dietmar Hopp! Esse estádio, caso o time alcance sucesso, tem data de validade, já que o magnata tem planos de construir uma arena para 30 mil pessoas, dez vezes a população de Hoffenheim, que não chega a 4 mil habitantes.

E hoje, um time que veio do nada e até outro dia estava na 7ª divisão alemã leva o melhor jogador de um time campeão mundial e bi-campeão sul-americano. Maldito êxodo.


Um comentário:

Gilson disse...

Parabéns, Bindi.
Algumas semanas atrás fiquei conhecendo seu blog e ele já faz parte dos "meus favoritos". Continue o grande trabalho. Gosto de conhecer mais sobre os clubes que existem pelo mundo, até aqueles da 2ª divisão alemã que querem contratar nossos jogadores, e também sobre a origem dos escudos e até sobre os árbitros que a turma do Galvão ignoram. Obrigado.