quarta-feira, 25 de julho de 2007

Cubanos desertores

Guillermo Rigondeaux. Boxe.
Erislandy Lara. Boxe.
Rafael Capote. Handebol.
Lazaro Lanegas. Ginástica artística.

Quatro atletas cubanos que desertaram a delegação do país que está competindo nos Jogos Panamericanos do Rio de Janeiro. Diz-se que os quatro irão para a Alemanha.

Fidel Castro e sua claque (muitos ainda acreditam nessa extemporânea figura, que para mim é como acreditar em saci-pererê ou no Paulo Maluf) dizem que eles são "traidores da pátria" e que fugiram em "troca de dinheiro", além de denunciar uma suposta máfia de roubo de atletas.

Ora, se é assim, por qual razão atletas de Antilhas Holandesas, Santa Lúcia ou Bolívia não desertam? Eles também são atletas pobres, de países pobres, que poderia buscar dinheiro, fama, sucesso e reconhecimento na Alemanha, Inglaterra ou Estados Unidos. Então, por que não desertam?

Porque nas
Antilhas Holandesas, Santa Lúcia ou Bolívia eles têm liberdade. Se eles quiserem, eles vão para onde bem entendem, sem precisar explicar a trinta e sete burocratas para onde eles vão e por que eles vão. Por que o país deles os respeita como cidadãos, seres humanos e não dentes de uma embreagem ou aparelhos de um sistema arcaico e apodrecido. E claro, ganham dinheiro para viver suas vidas livres.

O que é justo.


4 comentários:

amrrs disse...

Caro Luiz, vc quis dizer desertar, né?

Sérgio disse...

acho q aqui não é o melhor pra discutir política...

Luiz Fernando Bindi disse...

amrrs
Sim, meu caro. Erro meu. O verbo é desertar.

Sérgio
Acho que quando política e esporte se imiscuem (como é o caso), esse espaço é sim para discussão política, amigo.

p_ortiz68 disse...

Não desertam os de outros países pq. não são assediados com tanto dinheiro, afinal estes países não ocupam a seunda colocação no quadro de medalhas. O overno de seu país, por meio dos esforços de seus trabalhadores investe muito em Cuba, esses atletas precisam de apoio.
Patéticos texto e comparação. A missão é desinformar. Liberais e neo-liberais já são passado.