domingo, 8 de julho de 2007

Brasil 6 x 1 Chile

Ontem, o Brasil passou como quis pelo combalido time do Chile. Chapas-branca, como sempre, disseram que foi uma jornada histórica, uma goleada maravilhosa. "A seleção desencantou", "jogou por música".

Exagero retumbante e mal-intencionado. Tão mal-intencionado quanto a reportagem da Globo/Sportv sobre a "imensa alegria" da torcida que foi conehcer o Ginásio da Ginástica do Pan. Imensa alegria de uma torcida que passou aperto, calor e fome? Tendencioso é pouco. Mentiroso é mais preciso.

Enfim, voltando aos 6 a 1. Pareceu jogo de várzea. Um time sem esquema tático de um lado (o Brasil) e outro que nem time era, mas um grupo de pessoas reunidas como que às pressas e pior: desorientadas, perdidas. O Brasil até que foi bem (especialmente Juan, Josué, Robinho e Vágner Love), mas o evidente raquitismo moral dos chilenos era tão flagrante que dava até pena fazer gols naquela bagunça.

Vamos ver contra o Uruguai. Aí, vamos ver quem tem garrafa vazia para vender. Agora, o "professor" Dunga está convencido que ele está certo. É o começo do fim. Não torço contra o Brasil: não consigo.

Mas que me desagrada ver um time como esse ganhando, me desagrada.


3 comentários:

Leo disse...

Não! Definitivamente o Love não foi bem e ele não é jogador de seleção. Foi duro de assistir ao jogo pela Band com o Luciano do Vale e o Neto tecendo elogios ao atacante. E o povo ainda reclama do Galvão!

Arthur Virgílio disse...

Acho que não sou um único rabuchento com a seleção. Continuo achando que jogar de ressaca é uma droga.

Dassler Marques disse...

A imprensa quinta-coluna e os puxa-sacos da CBF são das coisas mais chatas no jornalismo esportivo.

Aliás, é claro que tem de haver um cuidado pra não desvalorizar o próprio produto, mas isso não pode superar a ética e as opiniões individuais.

abraço bindão!